Início » Blog » Mises Introduz a Escola Austríaca

Mises Introduz a Escola Austríaca

“Na Áustria, ninguém sentia que era seu dever nacional ‘superar’ as idéias da Europa Ocidental.”

Ludwig von Mises, o maior economista da Escola Austríaca

Quando vim para a universidade, Carl Menger estava chegando ao fim de sua carreira de professor. Pouca atenção era dada à Escola Austríaca de Economia da universidade, e eu não tinha interesse nela na época.

Por volta do Natal de 1903, li o “Grundsätze der Volkswirtschaftslehre”(1) de Menger pela primeira vez. Foi por meio desse livro que me tornei economista.

Muitos anos se passaram antes que eu encontrasse Carl Menger pessoalmente. Quando o conheci, ele já tinha mais de setenta anos, tinha problemas auditivos e era acometido por um distúrbio ocular. Sua mente, entretanto, era jovem e vigorosa. Tenho me perguntado repetidamente por que esse homem não fez melhor uso de suas últimas décadas. Que ele ainda poderia fazer um trabalho brilhante foi evidenciado por seu ensaio, “Geld” (2), com o qual ele contribuiu para o “Handwörterbuch der Staatswissenschaften”.(3)

Acredito saber a causa do desânimo e do silêncio prematuro de Menger. Seu intelecto aguçado reconhecera em que direção a Áustria, a Europa e o mundo estavam apontando; ele viu esta maior e mais elevada de todas as civilizações precipitando-se para o abismo. Ele havia antecipado as atrocidades que enfrentamos hoje; ele conhecia as consequências de o mundo se afastar do liberalismo e do capitalismo e fizera o que podia para combater essas tendências.

Seu livro, “Untersuchungen über die Methode der Sozialwissenschaften”(4), pretendia ser um esforço polêmico para conter as correntes intelectuais destrutivas com as quais as universidades prussianas estavam envenenando o mundo. Ele percebeu que sua luta era inútil e sem esperança, e se encheu de um pessimismo sombrio que exauriu suas forças. Ele transmitiu esse pessimismo a seu aluno e amigo, Rudolf, sucessor ao trono. O príncipe herdeiro tirou a própria vida por causa do desespero quanto ao futuro de seu império e da civilização europeia, não por causa de uma mulher. A jovem também desejava morrer e ele a levou para a morte com ele; ele não cometeu suicídio por causa dela.

Meu avô tinha um irmão que morreu muitos anos antes de eu nascer. Este irmão, Dr. Joachim Landau, era um membro liberal do parlamento austríaco e amigo próximo de seu colega de partido, Dr. Max Menger, irmão de Carl Menger. Um dia, ele contou a meu avô sobre uma conversa que tivera com Carl Menger.

De acordo com meu avô, como me disse por volta de 1910, Carl Menger fez as seguintes observações:

As políticas seguidas pelas potências europeias conduzirão a uma guerra terrível, terminando com revoluções horríveis, a extinção da cultura europeia e a destruição da prosperidade para pessoas de todas as nações. Em antecipação a esses eventos inevitáveis, tudo o que pode ser recomendado são investimentos em tesouros de ouro e nos títulos dos dois países escandinavos.

As economias de Menger, na verdade, foram investidas em títulos suecos.

Alguém que prevê tão claramente o desastre e a destruição de tudo o que considera valioso antes de seus 40 anos não pode evitar o pessimismo e a depressão. Os retóricos antigos tiveram o cuidado de considerar o tipo de vida que o rei Príamo teria tido, se aos vinte anos já previsse a queda de Ílio!(5) Carl Menger mal tinha a primeira metade de sua vida para trás quando reconheceu a inevitabilidade do morte de sua própria Tróia.

Esse mesmo pessimismo consumiu todos os austríacos perspicazes. O trágico privilégio de ser austríaco foi a oportunidade de reconhecer o destino. A melancolia e o mau humor de Grillparzer surgiram dessa fonte. A sensação de impotência diante de um desastre iminente levou o purista e mais hábil dos patriotas, Adolf Fischof, ao isolamento.

É compreensível que eu discutisse a “Staatliche Theorie des Geldes”(6) de Knapp com Menger com frequência.

Menger disse:

É o desenvolvimento lógico da ciência policial prussiana. O que fazer com uma nação cuja elite, depois de duzentos anos de economia, admira tamanha tolice e a percebe como uma epifania, quando na verdade nem é nova? O que se pode esperar de um povo assim?

O sucessor de Menger na Universidade de Viena foi Friedrich von Wieser. Wieser era um erudito honesto e um homem de alto cultivo pessoal e intelecto refinado. Ele teve a sorte de conhecer a obra de Menger mais cedo do que outros, e é para seu crédito que reconheceu sua importância. Ele contribuiu para a disciplina em certos aspectos, mas não era um pensador original e provavelmente fez mais mal do que bem no geral. Ele nunca compreendeu realmente o cerne do subjetivismo, uma limitação que o levou a cometer muitos erros infelizes. Sua teoria de imputação é insustentável. Suas ideias sobre cálculo de valor sustentam a afirmação de que ele não pode ser chamado de membro da Escola Austríaca. Ele tinha mais em comum com os da Escola de Lausanne, dois brilhantes representantes dos quais foram encontrados na Áustria em Rudolph Auspitz e Richard Lieben.

O que distingue a Escola Austríaca e lhe dará fama eterna é sua doutrina de ação econômica, em contraste com uma de equilíbrio econômico ou não-ação. A Escola Austríaca faz uso das ideias de descanso e equilíbrio, sem as quais o pensamento econômico não pode viver. Mas está sempre ciente da natureza puramente instrumental dessas ideias. A Escola Austríaca visa contabilizar os preços efetivamente pagos no mercado, e não apenas os preços que podem ser pagos em certas condições nunca realizáveis. Ela rejeita o método matemático, não por ignorância ou aversão à exatidão matemática, mas porque não dá importância à descrição detalhada da condição de um equilíbrio hipotético e estático. A Escola Austríaca nunca sucumbiu à ilusão fatal de que os valores podem ser medidos e nunca entendeu mal que os dados estatísticos nada têm a ver com a teoria econômica, mas pertencem apenas à história da economia.

“O que distingue a Escola Austríaca e lhe dará fama eterna é sua doutrina de ação econômica, em contraste com uma de equilíbrio econômico ou não-ação.”

Como a economia austríaca é uma disciplina que diz respeito à ação humana, nem mesmo Schumpeter pode ser incluído nas fileiras da escola. Em seus primeiros livros, Schumpeter se alinha com Wieser e Walras, mas não com Menger e Böhm-Bawerk. Para ele, economia é uma disciplina de “quantidades econômicas” e não de ação humana. Sua Teoria do Desenvolvimento Econômico(7) é um produto típico dessa teoria do equilíbrio.

É necessário corrigir os mal-entendidos que podem ser suscitados pelo uso da expressão “Escola Austríaca”. Nem Menger nem Böhm-Bawerk queriam fundar uma escola no sentido habitualmente usado nos círculos universitários. Eles nunca tentaram transformar jovens estudantes em discípulos cegos, nem, por sua vez, proporcionaram a esses mesmos alunos uma cátedra. Eles sabiam que por meio de livros e de um curso acadêmico de instrução, poderiam promover uma compreensão adequada para lidar com os problemas econômicos, prestando assim um importante serviço à sociedade. Eles entenderam, no entanto, que não poderiam criar economistas. Como pioneiros e pensadores criativos, eles reconheceram que não se pode organizar o progresso científico, nem gerar inovação de acordo com o plano. Eles nunca tentaram propagandear suas teorias. A verdade prevaleceria por si mesma quando o homem possuísse as faculdades necessárias para percebê-la. Usar meios impertinentes para fazer com que as pessoas defendessem um ensinamento da boca para fora não adiantava se não tivessem a capacidade de compreender seu conteúdo e significado.

Menger não fez esforços para estender favores aos colegas que seriam retribuídos com recomendações de nomeações. Como ministro e então ex-ministro das finanças, Böhm-Bawerk poderia ter usado sua influência; ele sempre rejeitou tal comportamento. Menger fez tentativas ocasionais, sem sucesso, de impedir a promoção daqueles, por exemplo, Zweideneck, que não tinha noção do que estava acontecendo na economia. Böhm-Bawerk não fez tais tentativas. Na verdade, ele avançou em vez de prejudicar as nomeações dos professores Gottl e Spann na Brünner Technische Hochschule(8).

A posição de Menger sobre essas questões é mais bem ilustrada por uma nota descoberta por Hayek enquanto examinava os artigos científicos de Menger. Diz: “Na ciência, só existe um método seguro para o triunfo final de uma ideia: deve-se permitir que qualquer noção contrária siga seu curso completamente.” Schmoller, Bücher e Lujo Brentano pensavam de forma diferente. Eles negaram a oportunidade de ensinar em universidades alemãs para aqueles que não os seguiram cegamente.

Cargos docentes em universidades austríacas, portanto, caíram nas mãos dos herdeiros do historicismo alemão. Alfred Weber e Spiethoff foram, por sua vez, investidos de um cargo na Universidade de Praga. Um certo professor Günther tornou-se professor de economia em Innsbruck. Menciono tudo isso apenas para lançar a afirmação de Franz Oppenheimer sob a luz apropriada, a saber, que a escola da utilidade marginal monopolizou o ensino da teoria econômica. Schumpeter foi professor titular em Bonn por muitos anos. Foi o único caso em que uma universidade alemã indicou um professor que pertencia ao campo da economia moderna. Entre as muitas centenas de homens que ensinaram economia em universidades alemãs entre 1870 e 1934, não foi encontrado nenhum que conhecesse as obras das escolas austríacas, de Lausanne ou das escolas anglo-saxãs modernas. Um Privatdozent(9) nunca seria promovido ao corpo docente se fosse suspeito de pertencer a uma dessas escolas. Knies e Dietzel foram os últimos economistas nas faculdades alemãs. No Império Alemão eles não ensinavam economia, mas marxismo ou nazismo. O mesmo acontecia na Rússia czarista, onde o marxismo “legal” ou a história econômica eram ensinados no lugar da economia. O fato de professores e conferencistas na Áustria poderem ensinar economia era incompatível com a alegação totalitária das “ciências econômicas estatais” alemãs.

“A Escola Austríaca visa contabilizar os preços realmente pagos no mercado, e não apenas os preços que podem ser pagos sob certas condições nunca realizáveis.”

A Escola Austríaca de Economia era austríaca no sentido de que emergiu do solo de uma cultura austríaca que o Nacional-Socialismo pisotearia. Neste solo, a filosofia de Franz Brentano pode criar raízes. Nesse solo, a epistemologia de Bolzano, o empirismo de Mach, a fenomenologia de Husserl e a psicanálise de Breuer e Freud atingiram a maturidade. O ar na Áustria estava livre do espectro da dialética hegeliana. Na Áustria, não se considerava seu dever nacional “superar” as idéias da Europa Ocidental. Na Áustria, o eudemonismo, o hedonismo e o utilitarismo não foram excluídos, mas estudados.

Seria um erro presumir que o governo austríaco promoveu todos esses grandes movimentos. Pelo contrário, retirou as atribuições de ensino de Bolzano e Brentano; isolou Mach e não se incomodou em nada com Husserl, Breuer e Freud. Avaliava o funcionário competente em Böhm-Bawerk, não o economista.

Böhm era professor em Innsbruck. Ele se cansou dessa posição; o deserto intelectual desta universidade, da cidade e da província de Tirol tornou-se insuportável para ele. Ele preferia trabalhar no Ministério das Finanças de Viena. Foi-lhe oferecida uma pensão remunerada quando finalmente se aposentou do serviço público, mas rejeitou-a e solicitou uma cátedra na Universidade de Viena.

A abertura do seminário de Böhm-Bawerk foi um grande dia na história da Universidade de Viena e no desenvolvimento da economia. Böhm escolheu os fundamentos da teoria do valor como tema do primeiro semestre; Otto Bauer procurou separar o subjetivismo da teoria do valor de um ponto de vista marxista. A discussão entre Bauer e Böhm ocupou todo o semestre de inverno, enquanto outros participantes permaneceram em segundo plano. O brilhante presente de Bauer estava em exibição; ele provou ser um oponente digno do grande mestre, cuja crítica da economia marxista a havia desferido um golpe fatal. Acredito que, no final, até o próprio Bauer teve de admitir a insustentabilidade da teoria marxista do valor-trabalho. Ele abandonou sua intenção de escrever uma resposta à crítica de Böhm a Marx. O primeiro volume desta série sobre a teoria marxista rendeu uma réplica sensacional de Hilferding. Bauer admitiu abertamente para mim que Hilferding não compreendia os problemas em questão.

Participei do seminário de Böhm regularmente até ser promovido em 1913. Durante os dois últimos semestres de inverno em que ainda participei do seminário, as discussões foram dedicadas à minha teoria do dinheiro e do crédito: minha explicação sobre a compra de dinheiro foi tratada no primeiro ; a segunda focada em minha teoria do ciclo de negócios. A diferença de opinião que surgiu entre Böhm e eu sobre esses pontos será tratada mais tarde.

Böhm foi um líder de seminário brilhante. Ele se considerava mais um presidente do que um professor, e entraria no debate ocasionalmente. Infelizmente, os tagarelas às vezes abusavam da liberdade de expressão permitida aos participantes. Especialmente perturbador foi o absurdo que Otto Neurath afirmou com força fanática. O uso mais forte da vantagem de um presidente poderia muitas vezes ser benéfico, mas Böhm não queria participar disso. Seu pensamento estava de acordo com o de Menger, que acreditava que na ciência todos deveriam ter permissão para falar.

A obra vitalícia de Böhm-Bawerk está diante de nós em uma proximidade esplêndida. Sua crítica magistral da velha economia e de suas próprias teorias tornaram-se nossos bens valiosos. E, no entanto, pode-se afirmar que Böhm poderia ter produzido ainda mais se as circunstâncias o permitissem. Ele desenvolveu pensamentos em palestras de seminário e conversas pessoais que excederam em muito as contidas em seus escritos. Mas sua constituição física não resistia ao planejamento de grandes e novos empreendimentos. Seus nervos não eram mais adequados para o trabalho duro. Até o seminário de duas horas teve seus efeitos. Foi apenas por meio da maior ordenação dos hábitos diários que ele conseguiu reunir a força de que precisava para a ciência. Todo o seu esforço pertencia à economia; relaxamento e diversão eram encontrados em concertos sinfônicos.

As preocupações com o futuro da Áustria e sua cultura obscureceram a noite da vida de Böhm-Bawerk. Ele sofreu um ataque cardíaco algumas semanas após o início da guerra. Minha unidade estava estacionada na vanguarda, a leste de Trampol. Recebi um jornal com seu obituário ao retornar do serviço de patrulha em uma noite no início de setembro.


Notas

1. Princípios de Economia (1871).

2. “Dinheiro”.

3. Enciclopédia das Economias Estatais.

4. Untersuchungen über die Methode der Sozialwissenschaften und der politischen Okonomie insbesondere (Investigações sobre o Método das Ciências Sociais com Referência Especial à Economia).

5. A antiga cidade de Tróia.

6. A Teoria Estatal do Dinheiro. Knapp afirmou que o dinheiro era em sua origem e em sua essência, uma criatura pura do estado.

7. Theorie der wirtschaftlichen Entwicklung.

8. Universidade de Tecnologia de Brünner.

9. Palestrante não remunerado.


Tradutor: Jose Alves

Autor original: Ludwig von Mises

Fonte


Leia mais

Sobre a relação entre escolásticos e austríacos